Encontre

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Perdão duvidoso...

A calmaria da noite zomba das contidas lágrimas que tenho no semblante.
Os passos sôfregos que escuto não são de estranhos a perambular pelas escadarias do condomínio, mas de meu coração inflamado de um sentimento incompreensível.
A amizade, cuja fragilidade lhe era perpétua, rompeu as amarras com a razão.
Não poderei perdoar, ainda que o queira.
Existem traições cuja face da lua apenas faz acentuar.
Ao acordar será um novo momento, mas, até lá procuro nas entrelinhas do edredom o perdido sono...

Um comentário:

leovalesi disse...

Tantos os sentimentos que te ardem, também explodem o sentimento. A escrita, espero, apaziguará.